A ciência em si

Gilberto Gil
Arnaldo Antunes

Se toda coincidência
Tende a que se entenda
E toda lenda
Quer chegar aqui
A ciência não se aprende
A ciência apreende
A ciência em si

Se toda estrela cadente
Cai pra fazer sentido
E todo mito
Quer ter carne aqui
A ciência não se ensina
A ciência insemina
A ciência em si

Se o que se pode ver, ouvir, pegar, medir, pesar
Do avião a jato ao jaboti
Desperta o que ainda não, não se pôde pensar
Do sono do eterno ao eterno devir
Como a órbita da terra abraça o vácuo devagar
Para alcançar o que já estava aqui
Se a crença quer se materializar
Tanto quanto a experiência quer se abstrair
A ciência não avança
A ciência alcança
A ciência em si


© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá) /  © Rosa Celeste (BMG Music Publishing Brasil LTDA.)

ficha técnica da faixa:
arranjo: Gilberto Gil
voz e violão de 12 cordas: Gilberto Gil
baixo: Liminha
arranjo: Sérgio Sá
teclado: Sérgio Sá

BRWMB9701137