Carta ao Gilberto Gil

Cesar Lattes

Campinas, 05 de fevereiro de 1997

Prezado Gil,

agradeço as atenções e remessas.

Não tenho os conhecimentos musicais que me permitam dar uma apreciação à altura do K7 que você me enviou. Posso dizer que gostei muito, assim como já havia apreciado toda a obra de Gilberto Gil que chegou ao meu conhecimento.

Peço apenas que me permita dizer o sentido que a física dá atualmente a algumas palavras que você usou, com muita felicidade, mas que em alguns casos me parecem licença poética:

O "infinitésimo" é uma ficção matemática.
Quantum é o mínimo de ação (energia x tempo).
O Quantum de ação é mais real do que a maioria das grandezas físicas: seu valor não depende do movimento em relação ao observador.
Tiraria "Quark", que está na moda com "cromodinâmica quântica", mas que só pode aparecer escondido.
Não engoli ainda, apesar dos livros modernos e da Enciclopédia Britânica.

Sobre as letras:

"Ciência e Arte": comovido agradeço a atenção.
A ciência se insemina subliminarmente.
A ciência é uma irmã caçula (talvez bastarda) da arte:
Camões pediu ajuda do engenho e da arte - não da ciência.
Salomão diz que "ciência sem consciência não é senão
a ruína da alma" - a arte, não.
Paro por aqui, porque Salomão também diz:
"Não busques ser demasiado justo nem demasiado sábio:
queres te arruinar?"
Para concluir cito um grande arquiteto:
"Quando a ciência se cala, a arte fala" (Artigas).

Com um abraço,

Cesar Lattes

Encarte da "Caixa Palco"

Marcelo Fróes

Quanta merece ser colocado no rol dos discos mais demorados e caros da história da MPB. "Ficou caríssimo, oficialmente é composto de três discos – mas na verdade nada disso era questionado na época; ninguém trazia o assunto para a mesa", lembra Gilberto Gil, que após quase um ano e meio dedicado ao projeto "Unplugged", finalmente entrou no estúdio Nas Nuvens para gravar um novo disco – o primeiro só de músicas novas em muitos anos. Ao retornar da Europa no final de julho de 1995, Gil foi para o estúdio registrar as demosde voz e violão das músicas. "Gravei demosdo que já tinha acumulado nos últimos anos, fui compondo mais material, o projeto foi ficando grande e acabou virando uma novela", lembra Gil.

Para o novo projeto, Gil resolveu convidar o arranjador paulista Sérgio Sá. "Eu queria trazer essa coisa de um ouvido e um coração de fora, então chamei o Sérgio pra fazer a direção musical comigo. Acontece que houve uma dificuldade de conciliarmos o modo de trabalhar dele com o nosso, pois sempre fizemos de um modo livre e coletivo – de banda mesmo, com todos ensaiando e gravando juntos", explica. "Ele é um arranjador e orquestrador de São Paulo, então existia essa dificuldade dele estar aqui o tempo todo. Fez uma grande quantidade de boas intervenções em vários contextos musicais, mas rolou um conflito natural com meu modo convencional – já que eu vinha de um "Unplugged" extraído da sonoridade desenvolvida em laboratório pela banda. A primeira parte do disco foi toda gravada com ele, depois eu tomei a frente", conta Gil, que das sessões com Sá manteve as faixas Quanta, Ciência e Arte, Vendedor de Caranguejo, Opachorô, Objeto Sim, Objeto Não, A Ciência em Si e Átimo de Pó, enquanto que muitas outras foram refeitas ao longo de 1996. Acompanhado pela banda da turnê "Unplugged" – Celso Fonseca, Arthur Maia, Jorge Gomes, Marcos Suzano, Gustavo de Dalva e Lucas Santana –, Gil gravou Quanta contando com os velhos companheiros Raul Mascarenhas (sax) e William Magalhães (teclados), além do produtor e multinstrumentista Liminha.

Uma das músicas que Gil compôs durante as sessões do álbum foi Guerra Santa, influenciado pelas demonstrações de intolerância religiosa no país. Foi imediatamente gravada no final de 95, com Liminha (baixo e programações), Jorge Barreto (teclados) e Marcos Suzano (percussão), além do luxuoso naipe de metais formado por Serginho Trombone, Márcio Montarroyos e Leo Gandelman. Lançada por Gil no programa "Fantástico" ainda antes do Natal, a música encabeçou o CD promocional do festival Hollywood Rock – do qual Gil participaria em janeiro de 1996, acompanhado de Fernanda Abreu, Lobão, Carlinhos Brown e de uma banda montada e liderada por Liminha. No correr do ano, ela seria remixada e entraria em Quanta com outra roupagem, muito embora um álbum ao vivo daquele Hollywood Rock tenha sido cogitado e até mixado por Liminha em outubro. Quanta não havia ficado pronto para o final de 1996, como esperado. "Não lembro disso ter-me sido mencionado pelo Liminha na época – mas muito pela excelência, pela qualidade do material, afinal os ensaios tinham transcorrido muito bem... e não para resolver qualquer tipo de problema", lembra Gil. "Eu nunca tive problemas de pressão por parte de gravadora. Pelo menos ninguém me repassava nada. De qualquer forma, os discos são criações minhas – do ponto de vista familiar e doméstico – então eu fico com eles o tempo que eu quiser... jogando fora também, se quiser. A gravadora não me cria problema; eu é que crio problemas para eles!", sintetiza.

Além de Guerra Santa, outras músicas foram surgindo para ajudar a transformar o novo disco num arrojado álbum duplo. No início de 1996, o início do resgate de suas músicas perdidas começou e Gil resolveu gravar Estrela, Pílula de Alho, It’s Good To Be Alive e Sala do Som, esta última uma ode a Milton Nascimento gravada originalmente nas sessões de "Refavela" em 1977 e que Gil se esquecera completamente. Milton sempre lhe cobrava o reaparecimento da canção e seu dueto com Gil na faixatítulo Quanta ocorreu na mesma época em que sua ode reapareceu. Quando o show Quanta estreou no Canecão (RJ) em maio de 1997, Milton subiu ao palco para cantar Quanta com Gil e, quebrando o "protocolo" do repertório, Gil cantou Sala do Som na sua presença. Começaria então a contagem regressiva para um projeto maior que envolvesse ambos.

Ainda em 1996, o envolvimento de Flora em projetos de Internet acabou inspirando Gil a compor Pela Internet. Na volta de sua turnê européia daquele ano, Gil lançou a música acusticamente no show de uma rádio carioca realizado em 11 de setembro – quando cantou e dividiu o palco com Arnaldo Antunes, Paulinho Moska e Chico César. Gravar a música para torná-la o primeiro singlede Quanta tornou-se uma obrigação, ainda mais quando a gravação do show começou a ser executada e a música pegou. Na esteira disso tudo, no final do ano Gil foi o primeiro artista brasileiro a fazer o lançamento oficial de uma nova música ao vivo – e "em tempo real" – pela internet, cantando-a e disponibilizando-a para download.

"Eu queria desovar aquilo tudo", comenta Gil sobre o produto final de 26 faixas que representa para sua carreira o que o "Álbum Branco" representa para os Beatles. "Operacionalmente ficou um disco grande, complicado, e aí acabou sendo desmembrado em vários pedaços". Pouco depois do lançamento de Quanta em abril de 1997, a WEA lançou uma versão simples com 13 músicas do disco original e mais quatro faixas bônus – que eram Com que Roupa? (de Noel Rosa, num remixpouco diferente da versão original do "Songbook" de que Gil participara em 1991), Guerra Santa (Acid Jazz Mix) e Vendedor de Caranguejo, que entrou com dois remixes(Chemical Mix e Cemichemichango Mix) e que em seguida rendeu também um CD singlecom mais remixes.

A versão internacional de Quanta, muito semelhante – porém não idêntica - à versão simples brasileira, saiu inicialmente na América pelo selo MESA da Warner. Explorava bem a duração máxima de um compact disc, com 20 das 26 faixas do CD duplo nacional.

Junho, 2002

PS (1) A apresentação de Gil e seus convidados no Pacaembu (SP), durante o Hollywood Rock de janeiro de 1996, foi filmada pela Conspiração Filmes e gravada em 24 canais pela WEA – e, mixados que foram por Liminha os tapesNas Nuvens entre 15 e 31/10/96, quase compuseram um álbum para suprir o adiamento da finalização de Quanta para o Natal daquele ano. Eis o repertório mixado: Guerra Santa, Vamos Fugir, Barracos, Avisa Lá, A Novidade, Extra, Chuckberry Fields Forever, Toda Menina Baiana, Stir It Up e Não Chore Mais. As filmagens da Conspiração foram aproveitadas no vídeo "Tempo Rei", lançado naquele ano.

PS (2) A versão simples de Quanta trazia as seguintes faixas: Quanta, Ciência e Arte, Estrela, Dança de Shiva, Vendedor de Caranguejo, Água Benta, Pílula de Alho, Opachorô, Pela Internet, Guerra Santa, Pop Wu Wei, O Lugar do Nosso Amor e De Ouro e Marfim, além das bônus supracitadas. A versão americana trocou Água Benta por Chiquinho Azevedo, incluiu Graça Divina antes de Pela Internet e, depois de Guerra Santa, o disco muda completamente, seguindo com Átimo de Pó, Fogo Líquido, Pop Wu Wei, O Lugar do Nosso Amor, De Ouro e Marfim, Sala do Som, Um Abraço no João, O Mar e o Lago e La Lune de Gorée.