Cultura e civilização

Gilberto Gil

A cultura, a civilização
Elas que se danem
Ou não

Somente me interessam
Contanto que me deixem meu licor de genipapo
O papo
Das noites de São João
Somente me interessam
Contanto que me deixem meu cabelo belo
Meu cabelo belo
Como a juba de um leão
Contanto que me deixem
Ficar na minha
Contanto que me deixem
Ficar com minha vida na mão
Minha vida na mão
Minha vida

A cultura, a civilização
Elas que se danem
Ou não

Eu gosto mesmo
É de comer com coentro
Eu gosto mesmo
É de ficar por dentro
Como eu estive algum tempo
Na barriga de Claudina
Uma velha baiana
Cem por cento


© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canada)

ficha técnica da faixa:
voz e violão: Gilberto Gil
guitarra: Lanny Gordin
baixo: Sérgio Barroso
bateria: Wilson das Neves
piano, órgão e arranjo de metais: Chiquinho de Moraes

Outras gravações:
"Gal Costa", Gal Costa, Polysom Comércio 2014
"Caetano Veloso e Gal Costa - domingo - jewel case", Gal Costa, Universal Music 2010
"Back in Bahia - ao vivo (1972)", Gilberto Gil, Discobertas 2017
"Gilberto Gil", Gilberto Gil, Universal Music 2000


"Depois dos rebeldes com causa, os rebeldes sem causa: derrubando os muros e as prateleiras. A cultura e a civilização que se danem ou não, pouco importa; sou inaugural, seminal; ponto zero: aqui começa outra história. Essa a expressão do dístico, slogan de época, placa, palavra de ordem. Em seguida, a afirmação do particular, do eu indivíduo, baiano. Quero estar no turbilhão das ruas, no olho do furacão do meu tempo, mas também quero paz; viver o tempo histórico, mas trazer até ele a história do meu passado, os elementos formadores do meu cerne. Como mostra o jogo desses contrastes, não se trata de um mergulho irracional na rebeldia. O dístico é niilista, mas os versos seguintes, ao contrário de justificá-lo, são preservadores."
68529036