Aqui e agora

Gilberto Gil

O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora

Aqui, onde indefinido
Agora, que é quase quando
Quando ser leve ou pesado
Deixa de fazer sentido

Aqui, onde o olho mira
Agora, que o ouvido escuta
O tempo, que a voz não fala
Mas que o coração tributa

O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora

Aqui, onde a cor é clara
Agora, que é tudo escuro
Viver em Guadalajara
Dentro de um figo maduro

Aqui, longe, em Nova Deli
Agora, sete, oito ou nove
Sentir é questão de pele
Amor é tudo que move

O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora

Aqui perto passa um rio
Agora eu vi um lagarto
Morrer deve ser tão frio
Quanto na hora do parto

Aqui, fora de perigo
Agora, dentro de instantes
Depois de tudo que eu digo
Muito embora muito antes

O melhor lugar do mundo é aqui
E agora
O melhor lugar do mundo é aqui
E agora


© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá)

ficha técnica da faixa:
voz e violão: Gilberto Gil

Outras gravações:
"Carla visita gilberto gil (só chamei porque te amo)", Carla Visi, MZA 2001
"Gilberto Gil - original album series (cd 4)", Gilberto Gil, Warner Music 2012
"Gilberto Gil revisitado", Gilberto Gil, Dubas 2004
"Refavela", Gilberto Gil, Philips 1977
"A voz de...", Gilberto Gil, Polygram 1981
"Refavela", Gilberto Gil, Polysom 2017
"Giluminoso", Gilberto Gil, Sarapui 1999
"Bom pra k 7", Gilberto Gil, Warner Music 1996
"2 é demais", Gilberto Gil, Warner Music 1996
"Vida", Gilberto Gil, Warner Music 1984
"Os grandes mestres da MPB", Gilberto Gil, Warner Music 1996
"Refavela", Gilberto Gil, Warner Music 1994
"Projeto esp.", Radio Musical FM/SP, Warner Music 1995

"O 'aqui e agora' reivindicado pelos místicos: a situação confortável, que deveria ser buscada e atingida pelo homem, de integridade na vivência de cada momento, de cada centímetro de espaço ocupado; o ethos, no sentido mais absoluto e profundo da palavra.

"Aqui e Agora é de uma sensorialidade tanto física quanto álmica, quer dizer, fala de como ver, ouvir, tocar as superfícies do que é sólido e do que é etéreo, denso e sutil; de uma visão voltada para dentro, o farol dos olhos iluminando a visão interior.

"A letra é uma colagem de fragmentos de manifestações mentais não necessariamente associáveis: dissociadas. Como, na estrutura subatômica, a dinâmica das partículas: vagalumes apagando e acendendo em lugares inusitados - estando aqui, e já ali; estando sim, e já não..."