O seu amor

Gilberto Gil

O seu amor
Ame-o e deixe-o
Livre para amar
Livre para amar
Livre para amar

O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser
Ir aonde quiser

O seu amor
Ame-o e deixe-o brincar
Ame-o e deixe-o correr
Ame-o e deixe-o cansar
Ame-o e deixe-o dormir em paz

O seu amor
Ame-o e deixe-o
Ser o que ele é
Ser o que ele é
Ser o que ele é


© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá)

ficha técnica da faixa:
voz e violão: Gilberto Gil

Outras gravações:
"O seu amor", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Universal Music 2004
"Doces bárbaros 1", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Philips Music 1976
"Doces bárbaros 2", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Universal Music 2006
"Raridades(1975/1981)", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Universal Music 2006
"Doces Bárbaros III {ao vivo}", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Universal Music 2003
"Giluminoso", Gilberto Gil, UNB 1999
"Casa aberta", Janaina Fellini, Tratore Distribuição De CD's 2015
"Outros barbaros", Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Biscoito Fino 2003
"Raridades anos 60 e 70", Maria Bethânia, Gal Costa, Gilberto Gil e Caetano Veloso, Universal Music 2011
"Sujeito estranho", Ney Matogrosso, Universal Music 2008
"Geração pop", Ney Matogrosso, Warner Music 1994
"Projeto fanzine - dose dupla - cd 2", Ney Matogrosso, Warner Music 2011
"70 anos (box 6 cds)", Ney Matogrosso, Warner Music 2015
"Dois gênios - Caetano Veloso e Gilberto Gil", Ney Matogrosso, Warner Music 2009
"Este e o Gil que eu gosto", Ney Matogrosso, Warner Music 1995

"A intenção foi brincar com o slogan da ditadura, 'ame-o ou deixe-o', promovendo, através da substituição de uma preposição, um corte profundo de ruptura no significado reducionista, possessivista e parcial do aforismo oficial, símbolo do fechamento e da exclusão maniqueísta, para criar um outro, com outra moral, a do amor - e, portanto, absolutamente generoso, democrático e libertário. A concepção de 'amor livre' é também reiterada, reintroduzida como objeto de respeito e admiração à liberdade no amor, e ampliada até para um sentido mais cristão, de amor irrestrito.

"Minimalista já na escolha de uma máxima tão concisa e conclusa, a letra também o é na construção - na maneira como suas significações se sobrepõem como degraus de uma escada tosca, de pedreiro, somando-se com um certo desejo geométrico e uma ambição de organização aritmética de fatores numa conta de adição feita com números muito simples."