Gueixa no tatame

Gilberto Gil

Não sou de queixa
Mas a gueixa me iludiu
Logo de cara, umeboshi
Uma ameixa salgada
Quieto, seu mano engoliu
Um forte impacto no ilíaco
Mas se era afrodizíaco, tudo bem
Gueixa não é sempre que se tem assim
Depois ela serviu, sake, sushi, nato, tofu
Como encontrar apetite pra tanto palpite no menu
Não sei se vinha da ameixa mas a deixa era
Luzes, câmera, ação !
Não aguentava mais meu coração

Minha gueixa no tatame
Parecia um camafeu
Uma gueixa no tatame
E eu ali perto do céu
Olhei pra ela e disse
Sonho, sonho meu
Nesse mesmo instante
Incontinente ela adormeceu
Não foi possível libertá-la do morfeu


© Gege Edições / Preta Music (EUA & Canadá)

ficha técnica da faixa:
voz, violão e arranjo de metais: Gilberto Gil
bandolim: Sérgio Chiavazzoli
percussão: Gustavo di Dalva
baixo: Arthur Maia
teclado: Claudio Andrade
bateria: Alex Fonseca
guitarra: Bem Gil
sax: Monteiro Junior
trombone: Bidu Cordeiro
trompete: Altair Martins
arranjo de metais: Felipe Pinaud

BR-GPG-0800032