1

Amigos há 50 anos e só uma briguinha em 68

O camarim no Citibank Hall transbordava de gente extasiada com o show de estréia em São Paulo da turnê “Dois Amigos, Um século de Música”, que comemora os 50 anos de carreira de Gilberto Gil e Caetano Veloso. Antes de cantar Sampa, Caetano brincou que a volta s São Paulo era “com garoa” e a dupla mostrou em primeira mão a canção mais nova que fizeram na madrugada anterior, “As camélias do Quilombo do Leblon”. No camarim, a um dos fãs, que sempre querem mais, Caetano brincou que não será a ultima turnê com Gil. “Nós vamos nos reunir num novo show daqui a 50 anos”. Como nem todos cabiam na sala, Gil foi até o corredor cumprimentar quem o esperava. Ali, deu esta palhinha exclusiva:

ISTOÉ – Qual foi a maior lição desta turnê?

Gilberto Gil - Na verdade, o que tem me magnetizado é o reencontro pleno com Caetano. Porque ele é o maior amigo que eu tenho. E a gente vive uma vida que geralmente nos separa muito por causa dos caminhos diferentes. O fato de haver um projeto que nos junta, nos junta mesmo. Em tanto tempo viajando juntos, comemos juntos, conversamos, falamos de tudo, do mundo, da vida.

ISTOÉ – Deu tempo para brigar também?

Gil - Não, não. (risos)

ISTOÉ – Vocês nunca brigaram?

Gil - Só uma vez aqui em São Paulo, porque eu estava com medo de fazer show naquela época da repressão, da confusão toda. E ele ficou... (bem bravo): “Que é isso!!Vambora!!!”. Foi no dia da morte do Vicente Celestino (em 23

de agosto de 1968, há exatos 47 anos). Foi a única vez que ele reclamou comigo.

ISTOÉ – Vocês pareciam um só no palco. É essa a intenção do show?

Gil- Isso é que é bacana. É muito bom poder retomar essa unidade nossa.



in ISTOÉ - Gente, 21.08.2015
2179 registros:  |< < 1 2 3 4 5 6 7 8 > >| 
 
2009 © Gege Produções Artísticas Refazenda fez